Minha foto
Henderson Matsuura Sanches
Pós-graduação - Especialização em Gestão dos Indicadores de Qualidade do Ensino Superior pela Faculdade JK/Michelangelo (2020); Mestre em Engenharia Biomédica pela UnB/FGA (2017); Graduado em Licenciatura em Computação pela Faculdade Fortium (2011); Membro da Comunidade LibreOffice Brasil desde 2013; Membro da The Document Foundation (TDF) desde 2014; Coordenador Geral do Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre (FLISOL – DF) nos anos 2022, 2020, 2018, 2017 e 2016; Membro da Comunidade Soffware Livre de Brasília; Sócio da Sociedade Brasileira de Computação (SBC) e Sócio da Sociedade Brasileira de Engenharia Biomédica (SBEB).

Postagem em destaque

STF Julga Constitucional Norma que Prioriza Contratação de Soluções Livres

Estados podem editar leis priorizando adoção de tecnologias abertas pela administração.

O Supremo Tribunal Federal decidiu, por unanimidade, que é possível que a administração pública manifeste preferência pelo software livre em suas contratações. No início do mês, a corte se pronunciou sobre a constitucionalidade de uma lei do Estado do Rio Grande do Sul que dispõe que as licitações do Estado priorizem a utilização de sistemas abertos.

Duas questões 

 

O assunto vinha sendo discutido pelo STF desde 2012, quando o Partido Democratas (DEM) impetrou Ação Direta de Inconstitucionalidade em desfavor da Lei Estadual nº 11.871/RS. No processo, duas questões principais foram debatidas: se a preferência manifesta pelos sistemas abertos constituiria desvio de licitação e, ainda, se as assembleias legislativas dos Estados possuiriam competência para propor projetos de lei sobre processos licitatórios. 

 

A corte entendeu que a norma gaúcha não trouxe vantagens para determinado produto específico. Pelo contrário, a priorização de soluções livres não só preservou e como até incentivou a igualdade e a competitividade na licitação. Também considerou que a iniciativa da Câmara Legislativa gaúcha em propor a lei foi completamente legítima, não afrontando o princípio da separação dos poderes. 

 

Efeito vinculante 

 

A decisão tomada pelo STF vincula os tribunais e órgão da administração pública, que devem adotar o mesmo entendimento da corte em casos futuros. "Isso quer dizer que fica superada a discussão sobre se os Estados podem ou não editar leis priorizando tecnologias livres". É o que explica Sady Jacques, assessor da presidência do Serpro e ativista do Software Livre. "Isso, além de colocar o gestor publico em uma posição muito mais tranquila, poderá abrir uma nova fase de legislações. Só falta vontade política", avalia.


Fonte: SERPRO 

Não falo de política aqui até porque o objetivo aqui é falar sobre software livre, apresentando soluções livres, Dicas, Tutoriais, Noticias, Lançamento de Distros, mas, darei a minha opinião.

Esse entendimento do STF foi de suma importância para o Estado do Rio Grande do Sul e as leis aprovadas a respeito do mesmo assunto em outros estados agora ficam sem questionamento e agora falta o Governo do Distrito Federal criar uma lei que de preferência no uso do Software Livre e parar de comprar software proprietário onde  muitas vezes não atendem as necessidades e abrem margem para a corrupção onde o preço é superfaturado,  escrevi um artigo no site do SempreUpdate com o Tema: "Software Proprietário abre Margem para Corrupção".

O Governo Federal tem a obrigação de aprovar uma lei que de preferencial ou obrigue a União, Autarquias, Governos Estaduais, Municipais e o Distrito Federal a usarem nos órgãos públicos o Software Livre como exemplo a suíte de escritório livre, o LibreOffice que atende muito bem as necessidades dos órgãos públicos e não comprar o pacote office da Microsoft gastando R$ 2 Milhões de reais (exemplo, claro que no caso do DF seria maior), sendo que temos uma solução livre e esse dinheiro poderia ser gasto na saúde, segurança, educação.

Comentários